quarta-feira, 11 de junho de 2008

Falando BICHOGRILÊS

Durante os anos 60, era comum chamar o movimento hippie de “movimento de contracultura”. Isso por causa do seu modo de vida diferente do comum: comunidades, negação do nacionalismo e desacordo com valores tradicionais. Eles usam roupas coloridas, muitas vezes tingidas, calças boca de sino, ouvem rock psicodélico e desprezam todas as regras do capitalismo.
.
O termo hippie derivou da palavra em inglês hipster, que designava as pessoas nos EUA que se envolviam com a cultura negra. A palavra foi usada pela primeira vez em um jornal de São Francisco, num artigo do jornalista Michael Smith.
.
Além de defender o amor livre e a não violência, usar cabelos e barbas compridos, usar incensos diversos e ter como principal símbolo a Mandala, há outra forma de reconhecer essa comunidade. Eles têm algumas gírias bastante características:
.
-Barra = Difícil
-Bicho = Amigo
-Biônico = Político nomeado pelo governo
-Bode = Confusão
-Capanga = Bolsa
-Chacrinha = Conversa sem objetivos
-Dar o cano = quebrar compromissos
-Eu "tô" que "tô" que nem "tô" de tanto que "tô" = Eu Estou bem
-Fazer a cabeça = Conquistar
-Goiaba = Bobo
-Jóia = Tudo bem
-Podes crer = Acredite
-Repeteco = Repetição
.
Podes crer, não é barra reconhecer os bichos falando assim! Jóia?
.
Por volta de 1970, algumas características do estilo hippie se tornaram parte da cultura principal, porém muito pouco da sua essência. Surgiu até um mito popular de que o movimento hippie não mais existia. De fato, ele continuou a existir em comunidades mundo afora, como andarilhos que acompanhavam suas bandas preferidas.
.
Fonte: http://www.spiner.com.br/modules.php?file=article&name=News&sid=1262 - Este site discorre sobre várias "tribos" culturais.
.
Indicação - para conhecer mais do estilo da vida hippie, assista Across the Universe, filme musical com trilha sonora dos Beatles que exemplifica bem como o grupo hippie viveu e lidou com a estranheza que causava nas pessoas naquela época.

Um comentário:

Anjo Torto disse...

Há dois sentimentos que predominam aqui dentro de mim agora que vi esse pequeno vídeo:
O primeiro é vergonha por não saber que esse filme existia. Estou me sentindo a pessoa mais desatualizada e desinformada do mundo.
O segundo é de emoção: eu sou contra o sistema, sou a favor da paz, amo os anos 60/70 com todos seus protestos e suas contraculturas, considero Beatles a melhor banda do mundo e sou apaixonada pela cultura hippie (aliás, eu sou uma pseudo-hippie)! Eu me vi nesse filme cara! Eu me identifiquei muito! Eu preciso assisti-lo.
Estou agora ouvindo Across the universe e quase chorando, rsrsrs.

Hoje é a primeira vez que entro em seu blog e pretendo entrar sempre sempre que possível.
Beeijo, parabéns pelo trabalho.